quinta-feira, 22 de junho de 2017

Á flor da Pele


Eis aberta a ferida
À fina flor da pele.

Palma a palma
Dor se instaura.

À voz de Deus 
Surge feito fina flor

Erva que exala amor
E toda dor se acalma

Paz na alma.
Ei-la aí
Alma calma.



Paula Belmino


Alice usa Lecimar

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Romeu e Julieta



O inverno chegou, mas na nossa escola é sempre primavera
com muita leitura, cor, brincadeira, releitura, pintura, ludicidade.

Por aqui chegou um lindo presente: O livro Romeu e Julieta de Ruth Rocha pela Editora Salamandra, que o grupo Semear livros nos mandou para levar pra escola, mas claro Alice leu, precisou tirar uma casquinha e toda a magia dessa linda história, que se passa num reino onde os jardins eram separados por canteiros, organizados por cor, cada cor só abrigavam flores e borboletas da mesma cor, e nenhuma podia visitar os caneiros diferentes.
Os personagens principais duas borboletinhas engraçadas: Romeu do canteiro azul e Julieta toda amarelinha.
O sonho de Julieta era sair voando por ali, mas a mãe dizia loo que era perigoso,
Romeu vivia fazendo acrobacias, sabia voar como nenhum outro inseto de asas, mas também só voava no próprio limite, o canteiro azul.
Certo dia o amigo ventinho convidou ás escondidas Romeu para ir conhecer Julieta e juntos foram dar uma volta na floresta e ai começa a descoberta, a aventura, o observar coisas estranhas para eles, abertos apenas para o próprio mundinho.


Uma historia linda que as crianças na escola ficaram encantadas e propus logo uma sequencia didática com leitura, releitura por eles, lendo uns para os outros, em voz alta, fazendo a voz dos personagens.




Teve interpretação oral e escrita, a roda de conversa sobre desobedecer aos pais e sair sem avisar, dar atenção a estranhos, a importância de saber se localizar, e saber seu endereço enfim, boas reflexões sobre segurança, e também sobre os cuidados que devemos ter com o meio ambiente para que as borboletas possam viver e produzir frutos, uma vez que são responsáveis pela polinização, além de amizade, diversidade, respeito etc...



As crianças desenharam


E também fizeram seus fantoches de dedo, usando papel e trabalhando o conceito matemático de simetria na prática, pois as crianças fizeram a dobradura e depois precisaram fazer os dois lados iguais para simbolizar os personagens unidos


E ainda teve a roda com intuito de incentivar a oralidade e a expressividade das crianças dando cada uma sentido á história com sequencia lógica e enriquecendo assim o vocabulário, aprendendo mais sobre flores que eles nunca viram como o miosótis que aparece no texto.

Ainda depois disso teremos mais atividades como texto fatiado para colocar a sequencia, reescrita do texto da maneira como compreenderam, caça-palavras, cruzadinha, e encenação, escrita das cantigas de roda que aparecem no texto.

Aula leve, lúdica, interativa e com real aprendizagem!!

Assistam a contação da história pelas crianças:



E ouçam na voz da autora Rut Rocha

terça-feira, 20 de junho de 2017

As cores dos pássaros (dica de Livro)





No início os pássaros eram sem cor
a dona coruja esperta usou verde, amarelo e vermelho e anunciou:
Vou pintar tecidos de seda e de algodão
peças de roupa para qualquer ocasião.



E assim começou a trabalhar o dia inteiro
misturando as cores descobrindo novas tonalidades
para todos os gostos das aves.
Ela mesma se pintou e muito bela ficou.


Um canarinho que por ali passava pediu:
Me pinte amarelo sol 
e o dia se abriu.


Todos pássaros agora queriam cores vibrantes
uns como o poente
outros com cores berrantes


E assim foi
Dona coruja o dia todo a pintar
Bem-te-vis, melros, colibris , sabiás.


De tão cansada que ficou
guardou suas tintas 
o dia então terminou!



Mas eis que um corvo ainda não tinha sido presenteado
esbaforido, maledicente, sem paciência
todas as tintas juntou
e assim deu-se a confusão!

Paula Belmino


E agora como acabaria essa bela história?


De Lúcia Hiratsuka  o livro As cores dos pássaros pela Editora Rovelle, traz lirismo e ares poéticos que aqui transformei num poema. O livro é cheio de inspiração e trabalha o surgimento das cores, convidando o leitor a viajar na imaginação e voar com os pássaros.
A autora que também é ilustradora usa lindas pinceladas com a técnica chamada Sumi-ê : Um estilo de pintura oriental que mistura basicamente a cor preta atrelados ao desenho e elementos da caligrafia. 
Nessa técnica as pinceladas não são retocadas e o material usado pelo artista são elementos da natureza como pincéis de bambu ou de pelos, que minhas crianças inspiradas na história tentaram reproduzir usando canudos e tinta guache, foi um incentivo para que eles possam partir para a técnica da pintura abstrata pois eles ainda estão bem no concreto, e tenho oferecido na medida do possível, novos materiais, novas maneiras de mostrar como são feitos os desenhos, e até as crianças que achavam que não desenhavam bem, hoje estão se superando os próprios limites.
As crianças na escola ficaram encantadas e como estamos trabalhando os animais vertebrados alio ao conteúdo didático e ao livro , a literatura, a imaginação, novas maneiras de aprender de forma significativa, sem apenas decorar conceitos, ou fatos.

Com a leitura desse livro primeiramente compartilhada por mim, as crianças puderam ir fazendo a interpretação oral. Fiz um ditado com os nomes dessas aves e eles puderam pesquisar conhecer um pouco das aves que para eles tem outros nomes por aqui, bem como saber mais sobre os costumes de cada um.
Após o ditado as crianças reescrevera a história como compreenderam, e estão melhorando e muito o processo da escrita







Por fim depois de toda a festa foi a hora de tentar recriar a ilustração baseada na técnica Sumi-ê usando canudos e eles adoraram!!





Para comprar o livro?

http://www.rovelle.com.br/livro/as-cores-dos-passaros

E veja um pouco mais da arte de Lúcia Hiratsuka

domingo, 18 de junho de 2017

Ler...



Ler é recriar-se!
É imaginar-se na vida do outro, usurpando o lugar dos personagens
de forma prazerosa cocriar um universo de possibilidades, cheiros, sentidos e sensações.
Ler é imaginar!

Ler é ponte!
É poder ir a lugares nunca idos e fazer mil caminhos de ida e volta. Sabendo o caminho, e mesmo assim descobrir veredas, portas e mil estradas.
Ler é caminho!

Ler é sonhar!
É sonhar acordado e nunca mais esquecer do sonho, sabendo-se quando quiser pode-se voltar a sonhar sem medo, e em toda vez lido um livro, o sonho será igual ou diferente, basta só o desejo querer.a imaginação mandar. Ler é criar possibilidades!

Ler é viajar!
É poder transportar-se para o mágico a hora em que se desejar, aventura-se no mágico, aberto a alma para o inimaginável, de cabeça e corpo mergulhados num oceano de palavras. Ler é voar!


Paula Belmino



Ensaio com livros lindos recebidos do Grupo Semear Livros para a Biblioteca Municipal de nosso cidade!

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Eu só quero amor





Eu só quero um amor
quero apenas quem me queira bem
que alegre meu sorriso 
hoje vazio distante de alguém.

Eu só quero amor de verdade
desses que causa dor
de tanto amar, a gente se encontrar no outro
e nunca mais se sentir só.

Eu só quero um xodó
pra cuidar noite e dia
beijos, abraços, ternamente enlaçados
um amor que caiba na minha poesia!


Paula Belmino

Nossa poesia foi inspirada na canção do Rei do baião Luiz Gonzaga com a composição de Dominguinhos: Eu só quero um xodó, pois por aqui é impossível não ouvir,  já que Alice acorda, pula da cama, nem toma café já vai ensaiar sua flautinha. Ela está tendo aulas de flauta doce e está apaixonada. 
Faz menos de 2 meses e já tem nos encantado, Mãe coruja sabe como é!

Ouçam e aproveitem e se inscrevam no nosso canal no youtube




Alice e Everton foram fotografados Por Chagas Lima

terça-feira, 13 de junho de 2017

A importância da leitura dos contos para as crianças






Onde vais Chapeuzinho?
Vou na casa da vovó levar uma cesta de doces!
Por que não leva flores também?


E quem não conhece toda a doçura  da Chapeuzinho vermelho e toda a astucia do lobo mau?
Quantas  vezes nós crianças morremos de medo com toda artimanha de uma história que trazia à tona o medo infantil, e que ao logo do tempo e dos estudos fica a polêmica do quanto prejudica as crianças  ou não as histórias que trazem personagens que fazem medo, que por outro lado especialistas afirmam que esses personagens como lobos, bruxas e madrastas vivem dentro de cada um e que o medo  justamente, faz parte da condição humana e que através dele podemos tomar atitudes, revelando coragem, libertação, e maneiras de enxergar o mundo, aprendendo a resolver conflitos.
 Os contos ajudam as crianças a verem que a vida é real, e de forma lúdica, através da leitura as crianças vão apropriando-se de lições morais e éticas aprendendo a valorizar e respeitar diferenças, escolher caminhos, e traçar estratégias. Psicologia à parte é fundamental para a criança fantasiar, criar, reinventar-se, e cabe aos pais e educadores mostrar através dessas narrativas, o  quanto e como a criança pode lidar com suas dificuldades e limitações, pois é através da fantasia que a criança vai construindo valores, e aprendendo a lidar com suas próprias ansiedades e anseios.
Os contos de fadas são ferramentas comuns e lúdicas que ajudam a prender a atenção, trabalhar emoções e sentimentos e por meio da fantasia a criança retrata-se, expressa-se, externiza o que sente , sem pressões, podendo abrir-se para falar do que não poderia em outro momento falar, por achar feio, vergonhoso, imoral. Cabe aos mediadores de leitura e contadores de histórias  ajudar a criança a entender suas emoções, revelando assuntos naturais da curiosidade infantil e aproximá-la do mundo mágico da leitura com prazer e amparando-a em suas angústias e dando a essa criança leitora e ouvinte a oportunidade de falar sobre assuntos que elas carregam dentro de si, e que faz mal a ela mesma.



Hoje temos outras versões do clássico Chapeuzinho Vermelho alguns que colocam a menina como antagonista e que de início tinha medo de tudo, mas depois vence o seu próprio medo, um lobo que morava dentro dela como na história Chapeuzinho amarelo de Chico Buarque entre tantas outras versões que mostra a menina já crescida, situada em outro cenário nos dias atuais, e assim pode-se ir mostrando a realidade sem ser necessário alienar a criança, mas  dando a ela oportunidades de sonhar, e reinventar-se.
Além de incentivar a fantasia e a imaginação os contos têm um papel importante no desenvolvimento social cognitivo e emocional da criança, afinal que criança não se sente feliz em deixa-se levar pela imaginação e conceber valores de igualdade, respeito, amizade e se ver como herói , nos heróis salvadores dos contos como o caçador? É se encontrar nos contos e saber distinguir o bem e o mal. Polêmicas à parte cabe aos pais, professores, contadores de história mostrar os dois lados da moeda, sem ser preciso contar uma história pra fazer medo à criança, mas sim para ajudá-la a vencer seus próprios receios e dificuldades. A leitura tem esse poder de fazer a criança viajar pelo seu próprio caminho diferentemente dos jogos que já são programados para um devido fim.
Os contos de fadas portanto, ajudam as crianças a falar sobre assuntos que são difíceis de falar, a romper as barreiras do medo e do receio, e abrir portas da libertação,  ajudando-as a  resolver conflitos e conviver bem consigo mesmas,  com o mundo e com os outros.


Paula Belmino

Desde bem pequenina a Alice foi familiarizada com a hora do conto, onde eu lia, ou brincava, imaginava com ela, e claro depois falava sobre medos, temores, dissabores, percebendo nela qual sua limitação, e assim ajudando-a a se desenvolver pela técnica da narrativa literária.

Vejam só que pequenina:

Eu e Alice encenando o conto!


Nesse ensaio a Maria Clara usa pijama Dedeka com capuz e estampa do conto Chapeuzinho Vermelho, lindo para brincar, dormir, fantasiar sonhar. Imaginação, leitura, brincadeira é o que as crianças necessitam, de conversa, colo, afeto, e isso a Dedeka prepara com muito cuidado em suas coleções com intuito de oferecer a oportunidade de pais e filhos estarem mais juntos em momentos de alegria e fantasia, cuidados e tempo que possam garantir á criança uma infância lúdica, capaz de desenvolver habilidades , capacidades e inteligências múltiplas
Nessa coleção Arteiros a Dedeka inspira-se nas artes, incentivando o contato da criança desde os primeiros dias com a música, teatro, cinema, dança e enfim pela literatura que é mola essencial em todas as artes  para ajudar a criar, imaginar, compreender, revelar-se, cocriar, sonhar, transformar-se.


Para conhecer toda coleção:





http://www.dedeka.com.br/

O casamento da Dona Joaninha





Uma joaninha faceira
que de seu jardim vive a cuidar
um dia acha uma fita
e se arruma toda
de laço na antena
vai pra janela cantar:

"Quem quer casar
com a Dona Joaninha
que tem laço na antena
e vestido de bolinha?"

E assim começa a busca por um marido
caracol 
pirilampo
beija-flor
Todos amigos, belos companheiros
mas de nenhum a Joaninha gostou.
Um é lento demais
outro pode a visão ofuscar
e ela tadinha solitária
esquece por um tempo sua busca 
e pra janela não fica mais a cantar!

Eis que um dia de chuva
Um insetinho debaixo da janelinha
esperando a chuva passar 
do lado de Dona Joaninha
e os dois a conversar.

E não é que vai dar certo o amor entre os dois
seria amor à primeira vista?
Como termina essa história
Casamento, festa, alegria?

Sei que a cantiga de dona Joaninha
deu bom resultado
cantou, cantou e encontrou um namorado!


Paula Belmino

Essa poesia é só para falar um pouco da terna história que é o livro de Poliana Barbosa: O casamento de Dona Joaninha com selo Adelante, que chegou na escola fazendo a festa da criançada.
Li para elas, depois puderam ler com os amigos, de mão em mão o livro enchendo de ternura os corações, fizemos a interpretação oral, e escrita, onde incentivo a todos a escreverem o início e o final, da história, sempre com incentivo de melhorar a escrita , trabalhar parágrafos, pontuação, que corrigimos depois no texto coletivo.
As crianças puderam também ilustrar e criar seus fantoches usando cartolina e palitos e um cenário para depois recontarem eles próprios a história.
e assim foi uma linda festa com muita arte, criatividade, a fim de desenvolver habilidades como ler, desenhar, se expressar, oralidade, memória, concentração e tantas outras capacidades.

Vejam um pouquinho:







O livro : O casamento de Dona Joaninha é uma releitura do clássico: O casamento da Dona baratinha, com o diferencial e encantamento original. O texto é escrito em caixa alta, ajudando as crianças em fase de alfabetização a se encontrarem de maneira fácil com o texto e se apropriarem de memória e foi todo ilustrado pela própria autora com recorte e colagem, muito colorido e  lúdico.
O livro também fez sucesso na creche por onde já passou com aula de minha mãe Cicera Simões




Assistam o vídeo, que infelizmente por motivos técnicos não aparece o final de nossa interpretação, mas vale muito a pena. Estou muito feliz com o avanço de cada criança e agradeço muito aos amigos escritores que nos incentivam nessa prática de ler e escrever, aprender de forma lúdica e brincante.





Para adquirir o livro?

http://www.ciadoslivros.com.br/casamento-da-dona-joaninha-o-766470-p660728